"> Nossa História - Franquia de Extensão de Cílios
background

Conheça um pouco da nossa história

samara

Ao invés de pedir pra alguém escrever essa história, fiz questão de eu mesma escrever e contar a vocês do meu jeitinho como começou a Pink Lash.

Tudo se iniciou quando fiquei noiva do Thiago, resolvemos sair da casa dos meus pais para ter nosso cantinho, procuramos diversos locais para locar e por fim fomos morar num quartinho de pensão (me lembro que não tinha janela, porém tinha azulejos e eu achava isso o máximo, “risos”). Juntamos o restinho do nosso dinheirinho, decidimos ter somente um celular e com isso vendemos o meu, nos possibilitando comprar uma cama de casal usada por quinhentos reais, um fogão antigo por duzentos reais, uma geladeira usada por quatrocentos reais e ganhamos um televisor de tubo (uau, nossa casinha estava montada). Eu estava desempregada e o Thiago estava trabalhando de recepcionista em uma academia, inicialmente ganhando R$980,00 com promessa de comissão de vendas. Nós também entregávamos folhetos da academia nas ruas para aumentar a chance de venda de planos para o Thiago e para salvar nossa renda mensal. Até arriscamos vender lanches naturais no Brás (isso não deu muito certo “risos”).

Onde entra o cílios nessa “história” dona Samara?

Em uma data próxima ao meu aniversário, Thiago chegou em “casa” e me pegou chorando. Assustado me perguntou o que tinha acontecido e eu descaradamente disse que haviam cancelado meu horário dos cílios! Sim, eu estava querendo colocar cílios fio a fio em uma senhora em Osasco, mas a mesma havia me cobrado um depósito antecipado de 50% do procedimento (os cílios custavam R$270), o detalhe é que eu não tinha nem se quer a metade do dinheiro e meu horário foi cancelado (mas era meu aniversário e eu queria colocar meus cílios para me sentir bonita). Ele por sua vez tentou me acalmar, tirou seus últimos R$30 do bolso e disse todo orgulhoso: “Vai lá amor, vai fazer seus cílios”. Eu disse que não daria, pois custava duzentos e setenta reais. Ele surtou! Me lembrou falando que não tínhamos dinheiro, que ele estava se matando trabalhando dois turnos para ter chance de um salário melhor, que eu estava sendo maluca, que eu deveria focar em procurar um trabalho, pois até nossos alimentos estavam sendo fiado no mercadinho do japonês da esquina.

pink-lash-05Resumindo, foi uma discussão. Até que então ele pegou a calculadora e começou a fazer conta sem parar. E de repente com uma cara de felicidade me disse: “Você tem que aprender a fazer isso!” Me lembro até hoje da conta feita por ele e as palavras ditas: “Samara, presta atenção! Se você trabalhar de segunda à sábado, fizer uma única cliente por dia, a conta é básica: 26 dias vezes R$270,00. Meu amor, isso dá R$7.020,00 no mês! SAMARA, VOCÊ TEM NOÇÃO DISSO?!” Eu só me imaginava ganhando este valor. Me senti rica por alguns segundos. Mas logo veio a sensação de decepção e lembrei ele o quanto eu era sem jeito para coisas femininas. Ele me incentivou demais. Me fez procurar todos os tipos de cursos possíveis até achar o que realmente eu queria (na época cursos não eram tão comuns como hoje). Após tanta procura, achei um local. O curso era caro e parcelavam somente no cartão de crédito. Eu e o Thiago não tínhamos cartão, nem cheque e muito menos crédito pra isso. Quase desisti, quando lembrei do meu irmão. Maurício tinha cheque, insisti muito e a mulher aceitou parcelar em 8 vezes no cheque do meu irmão.

Bom, agora era só aprender e ficar “RICA” com meus R$7.020,00 mensais, não é mesmo? É, não foi bem assim…

pink-lash-03Voltei do primeiro dia de curso chorando, disse a ele que não tinha jeito com aquilo e que era melhor cancelarmos tudo. Com isso consegui uma nova briga, onde meu “carinhoso e educado” marido me lembrou que havíamos feito uma dívida muito grande com o curso. Que eu estava sendo mimada! No final ele percebeu o quanto eu mesma estava decepcionada e me abraçou dizendo bem baixinho: “Eu acredito em você e você será a melhor!”. Com isto consegui finalizar o curso, peguei o diploma. Mas com quem eu ia treinar e colocar em prática o que aprendi? Minha mãe foi a primeira vítima! Seis horas deitada, levantou com os olhos vermelhos e só a metade finalizada. A segunda, terceira, quarta e quinta vítima quem foi? O Thiago! Sim.. já que me incentivou a fazer o curso, ele teve que me deixar colocar muitas vezes nele. E eu, criei um especialista em críticas. Thiago já estava se achando o EXPERT em cílios. Me criticava se houvesse um único fio torto rs. E a melhor parte era ele ter que trabalhar com cílios quando não tínhamos removedor. Com meu tempo livre, vivia fuxicando na internet por materiais, móveis e ferramentas usadas e com um preço mais acessível. Não preciso dizer que eu já tinha uma listinha de desejos onde continha todos os materiais e ferramentas que eu gostaria de ter, né?! Eu passava horas contando ao Thiago que eu logo iria ter clientes e iria conseguir comprar tudo.

pink-lash-04Bom, enquanto o dinheiro ainda não existia, criei uma conta no Instagram e precisava dar um nome ao meu negócio. Assim, deitados em nossa cama, começamos a discutir sobre um nome. “Samy Studio” ou “Designer de Cílios Samara”. Até que o Thiago me disse: “Cílios Rosa”? E eu pensei: “Que brega!”. Mas ele insistiu e me perguntou como se escrevia “cílios” em inglês. E então eu disse que era “lash” e ele finalizou: “Rosa Lash”, e eu querendo mostrar meu vasto vocabulário e mais difícil ainda disse: “PINK LASH”! Até hoje ele diz que a ideia foi dele rs e se estiver lendo tenho certeza que está sorrindo agora. Continuando, com isso já tinha meu nome e comecei a observar em algumas contas no Instagram e colocar uma mensagem convidando para que viesse conhecer a Pink Lash, mas eu nem sequer tinha uma maca. Arrumei meu primeiro atendimento a domicílio onde demorei 4 horas, sentei no chão e a cliente se deitou no sofá dela. Mas Deus foi tão bom comigo, que a mulher me pagou R$300,00. Você imagina a minha felicidade?!

pink-lash-07Se lembram da minha lista de desejos? O primeiro item era uma MACA ROSA usada que a mulher estava vendendo em Santos. Sim, fomos buscar! Tínhamos um Pegeout todo acabado, com o forro do teto caído (parecia bandeirão de estádio), radiador quebrado (tínhamos que parar para colocar água nele a cada 30km), com pneus carecas, mesmo assim fomos até Santos rezando e pegamos minha maca rosa e pronto, já sentia que eu tinha uma clínica. Nesse meio tempo as coisas na academia melhoraram, o Thiago conseguiu bater algumas metas e o salário dele ia aumentar, proporcionando uma mudança a nós. Passamos de pensão para kitnet. Ali nesta kitnet trabalhei duro, conquistei clientes fiéis, atendi minhas primeiras celebridades e fiz grandes amigas. Logo eu já estava atendendo seis a sete clientes por dia, trabalhando das 6h da manhã até meia noite, uma hora da manhã. Eu estava rica? Não! Cobrava R$70. Mas estava ficando “rica” em experiência e prática. Logo, Thiago conversou comigo e me incentivou a procurar uma “salinha”. Com isso veio o medo de pagar um aluguel, medo de falhar… Mas a verdade é que ele sempre acreditou mais em mim do que eu mesma! Sempre me fez acreditar que eu era mais do que realmente era. Fui pra minha primeira “salinha” e logo fui pra nossa primeira casa Pink Lash. Montamos nossa primeira equipe de extensionistas. Em seguida nossa segunda loja, terceira loja, quarta loja… chegamos no Império Pink Lash que vocês conhecem hoje.

Atualmente tenho 16 especializações em cílios, e até hoje o Thiago me critica e incentiva a não me acomodar e sempre me superar.

O que mudou?

Hoje não tenho clientes, tenho Pink’s.
Não tenho funcionárias, tenho “Samarinhas”.
Não tenho sócios, tenho irmãos.
Não tenho uma equipe, tenho UMA FAMÍLIA.

Sei quanto Deus me abençoou e prosperou meus esforços.
Samara Martins